Neutralidade em carbono: Uma abordagem fiduciária

A neutralidade em carbono : uma abordagem fiduciária

Prezados clientes,

No ano passado, escrevemos a vocês dizendo que a BlackRock fez da sustentabilidade o nosso novo padrão de investimento. Na ocasião, sinalizamos como estávamos integrando a sustentabilidade à forma como gerenciamos o risco, geramos alfa, construímos portfólios e gerimos os investimentos, para melhorar os resultados dos seus investimentos. Estabelecemos esse compromisso baseado em uma profunda convicção de investimentos que parte do princípio de que a sustentabilidade pode ajudar os investidores a construírem portfólios mais resilientes e alcançar melhores retornos ajustados ao risco no longo prazo.

Em 2020, alcançamos a nossa meta de adequar 100% dos portfólios ativos e de consultoria integrados ao ESG. Lançamos o Aladdin Climate, estabelecendo um novo padrão para dados e análises climáticas. Intensificamos o nosso foco em gestão de investimentos em temas relevantes sobre a sustentabilidade. E introduzimos quase uma centena de novos fundos sustentáveis, ajudando a ampliar o acesso e proporcionar aos investidores um leque maior de opções. Vocês podem encontrar um resumo das nossas iniciativas de 2020 aqui.

Pouco depois da carta enviada para vocês em janeiro do ano passado, a COVID-19 atingiu o mundo, provocando um terrível impacto humano e econômico que se estende até hoje. À medida que os mercados desabavam, muitos observadores indicavam que a pandemia reduziria o ímpeto das iniciativas globais sobre as mudanças climáticas. Mas aconteceu justamente o contrário. Como Larry escreveu hoje na sua carta anual aos CEOs de grandes corporações, a pandemia forçou a sociedade, como um todo, a uma introspecção mais profunda sobre essa ameaça à nossa existência.

2020 foi um ano histórico quanto aos compromissos sobre mudanças climáticas por parte das empresas, governos e investidores. Esses compromissos estão calcados em alcançar a neutralidade em carbono, ou seja, construir uma economia que não emita mais dióxido de carbono do que ela remove da atmosfera, até 2050, que é o limite estabelecido cientificamente como o necessário para manter o aquecimento global abaixo de 2 °C.

O ano passado testemunhou grandes compromissos com a neutralidade em carbono pela China, União Europeia, Japão, Coreia do Sul e na última semana, pelos Estados Unidos, que voltou a aderir ao Acordo de Paris. Cada vez mais, as autoridades regulatórias financeiras obrigam a divulgação dos riscos climáticos, os bancos centrais realizam testes de estresse sobre os riscos climáticos, e as autoridades governamentais ao redor do mundo colaboram para alcançar as metas climáticas comuns. Até o momento, 127 países, responsáveis por mais de 60% das emissões globais, e mais de 1.100 empresas estão considerando ou implementando compromissos de neutralidade em carbono.

Essas mudanças terão impactos drásticos para os investidores. No ano passado, dissemos que os investidores cada vez mais reconhecem que o risco climático é um risco de investimento, o que impulsionaria uma significativa realocação de capitais. Porém, também acreditamos que a transição climática cria uma oportunidade histórica de investimento. Com o mundo avançando para a neutralidade em carbono, a BlackRock pode servir melhor nossos clientes se nos mantemos na dianteira dessa transição.

 


 

Compromisso da BlackRock com a neutralidade em carbono

A BlackRock está comprometida em apoiar a meta de atingir a neutralidade em emissões de gases do efeito estufa até 2050. Estamos tomando uma série de medidas para ajudar os investidores a prepararem seus portfólios para um mundo neutro em carbono, incluindo o aproveitamento de oportunidades criadas pela transição para a neutralidade em carbono. As principais iniciativas em 2021 incluem:

Medição e transparência:

  • Publicação de uma métrica de alinhamento de temperatura para nossos fundos de ações e de títulos, para todos os mercados com dados suficientes e confiáveis.
  • Publicar a proporção de nossos ativos sob gestão que estão atualmente alinhados à neutralidade, e anunciar uma meta provisória sobre a proporção de nossos ativos sob gestão que estará alinhada à neutralidade em 2030, para mercados com dados suficientemente confiáveis.
  • Com o Aladdin Climate, ajudar mais investidores a gerenciarem e alcançarem seus objetivos climáticos, acompanhando a trajetória dos portfólios de investimento a caminho da neutralidade em carbono, e ajudando a catalisar dados e métricas climáticas cada vez mais robustas e padronizadas para melhor servir a indústria.

Gestão de investimentos

  • Incorporação dos impactos das mudanças climáticas nas nossas premissas de mercados de capitais, que são a base da construção dos portfólios na BlackRock.
  • Implementação de um “modelo de alto grau deescrutínio” sobre nossos portfólios ativos como uma ferramenta para a gestão de títulos que ofereçam riscos climáticos significativos.
  • Ajuda aos clientes para que se beneficiem das oportunidades criadas pela transição energética, desde o investimento em carros elétricos até energia limpa, passando por casas com eficiência energética.
  • Lançamento de produtos de investimento com metas de alinhamento de temperatura explícitas, incluindo produtos em sintonia com a trajetória rumo à neutralidade em carbono.

Gerenciamento responsável de investimentos

  • Gerenciamento responsável de investimentos para assegurar que as empresas nas quais nossos clientes investem estão mitigando os riscos climáticos e considerando as oportunidades apresentadas pela transição para a neutralidade em carbono.
  • Solicitação às empresas que divulguem um plano de negócios alinhado com a meta de limitar o aquecimento global bem abaixo dos 2 °C, consistente com a meta de atingir a neutralidade nas emissões de gases do efeito estufa globais até 2050.
  • Aumentando o papel dos votos nas propostas de acionistas nos nossos esforços em direção à sustentabilidade.

 


Um movimento de proporções tectônicas se acelera

No ano passado, enfatizamos nossa convicção de que o mundo estava no limiar de grandes transformações, uma realocação fundamental de capitais em direção a ativos sustentáveis. Em 2020, começamos a ver essas mudanças ganharem forma. Entre janeiro e novembro de 2020, os investidores de fundos mútuos e ETFs globais investiram USD 288 bilhões em produtos sustentáveis, um aumento de 96% em relação ao ano todo de 2019.1

Essa crescente mudança em direção a ativos sustentáveis se deve a uma ampla gama de fatores: melhoria nos dados sobre a sustentabilidade, um leque ampliado de opções de investimentos sustentáveis e o crescente consenso sobre a sustentabilidade como um impulsionador persistente de retornos. Isso está estimulando a realocação global de capitais em direção às empresas mais sustentáveis, o que deve continuar por muitos anos; acreditamos que os investidores que começarem a fazer parte dessa realocação mais rapidamente serão favorecidos.

Durante 2020, 81% de uma seleção global representativa de índices sustentáveis tiveram um desempenho acima do esperado em relação aos índices de referência.2 Esse desempenho acima do esperado foi ainda mais pronunciado durante o primeiro trimestre, outro exemplo de resiliência dos fundos sustentáveis que observamos em períodos de retração no passado.3 Os retornos dos investimentos podem e devem flutuar durante determinados períodos, mas essa evidência ajuda a derrubar a concepção equivocada de que o investimento sustentável deve ser feito com sacrifício dos retornos.

O novo entendimento de investimento sustentável e o momentum global em direção à neutralidade em carbono significa que teremos pela frente uma drástica redefinição da economia ao longo das próximas décadas. Essa transformação tem profundas implicações para vocês, nossos clientes, e estamos comprometidos em ser o parceiro de sua escolha, oferecendo dados, ferramentas, estratégias e opiniões para ajudá-los a navegar durante essa transição. Esta carta se concentra nas nossas iniciativas relacionadas ao clima, mas continuamos a aprofundar nossas capacidades em um amplo espectro de temas sobre a sustentabilidade.

Iniciativas da BlackRock para a neutralidade em carbono

Uma vez que a economia global de hoje é uma economia com uso intensivo de carbono, os portfólios dos investidores mais diversificados, incluindo os dos clientes da BlackRock, permanecem intensivos em carbono . Não há como mudarmos isso de um dia para o outro, e o portfólio agregado da BlackRock necessariamente estará sujeito às decisões de investimento de seus clientes. No entanto, existe um significativo momentum global em direção à economia neutra em carbono, e a BlackRock acredita que nossos clientes estarão mais bem posicionados se permanecerem à frente dessa transição. Nossas iniciativas para ajudá-los a alcançar esse objetivo se situam em três grandes categorias: medição e transparência, gestão de investimentos e gestão.

Medição e transparência
Uma pesquisa recente com investidores que representam USD 25 trilhões em ativos sob gestão indicou que a grande maioria tem intenção de aumentar a alocação em investimentos sustentáveis, mas a falta de dados de qualidade era o principal obstáculo individual para que isso acontecesse. Os investidores estão demandando melhores dados e medições sobre como seus portfólios estão posicionados para a transição energética.

Alinhamento de temperatura e metas de divulgação de neutralidade em carbono
Para que os investidores possam avaliar o grau de preparação de um portfólio para a transição energética e alocar ativos de acordo com suas ambições de neutralidade em carbono, eles precisam entender os caminhos da transição em seus portfólios.

Hoje, a BlackRock divulga uma média ponderada de uso intensivo de carbono, segundo as recomendações da Força-Tarefa para Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (Task Force on Climate-related Financial Disclosures, TCFD), de mais de USD 2 trilhões em ETFs iShares e fundos mútuos. No entanto, reconhecemos que as métricas atuais de uso intensivo de carbono não fornecem o panorama completo de como os portfólios estão posicionados para se adaptar à transição global em direção à neutralidade em carbono, por exemplo, o “alinhamento de temperatura”.

Trata-se de uma medida das alterações globais de temperatura consistentes com as posições de um portfólio. As metodologias de medição de alinhamento de temperatura estão constantemente evoluindo, baseadas em novas pesquisas e dados específicos de determinados setores e regiões. A BlackRock está fortemente engajada em levar adiante essa discussão junto aos seus pares e parceiros, como é o caso da TCFD.

Essas divulgações, e como elas auxiliam os investidores a entenderem o caminho da descarbonização de um investimento, estão adquirindo um papel cada vez maior nas decisões de alocação de ativos. Para auxiliar nossos clientes com essas informações essenciais, bem como ajudar na disponibilização de dados sobre a trajetória climática do mundo atual, nos comprometemos com as seguintes divulgações até o final de 2021 para todos os mercados que tenham dados suficientes e confiáveis, lembrando que as metodologias sobre a neutralidade em carbono continuam em evolução:

  • Publicação de uma métrica de alinhamento de temperatura para nossos fundos de ações públicos e de títulos.
  • Coordenação com os provedores de índices para a publicação do alinhamento de temperatura para os principais índices do mercado.
  • Publicação da proporção dos nossos ativos sob gestão que atualmente estão alinhados com a neutralidade em carbono.
  • Anúncio de uma meta provisória sobre a proporção dos ativos sob gestão que devem estar alinhados com a neutralidade em carbono em 2030.

Aladdin Climate
Para calcular mais rapidamente e entender o alinhamento de temperatura e os riscos climáticos, os investidores precisarão de melhores ferramentas e de tecnologia. Para resolver isso, desenvolvemos o Aladdin Climate, que adiciona uma ampla gama de capacidades de medição de riscos de dados climáticos e de implementação no Aladdin, o líder em tecnologia de gestão de risco do setor. Por meio do desenvolvimento do Aladdin Climate, ajudaremos mais investidores a gerenciar e alcançar os seus objetivos climáticos, medindo os impactos nos portfólios de riscos físicos como o clima extremo e riscos de transição como o impacto de mudanças políticas, tecnologia e fornecimento de energia. Com o tempo, isto permitirá aos investidores calcular valores de títulos e de portfólios "ajustados ao clima", rastrear a trajetória de uma carteira em direção a neutralidade, e identificar melhor os riscos e oportunidades climáticas. Nossa aspiração é que a Aladdin Climate estabeleça o padrão entre dados, modelos de risco climático e processos que traduzam a ciência climática em retornos de portfólio.

Gestão de investimentos

Estamos tomando uma série de medidas para o desenvolvimento das nossas ferramentas de plataforma de investimento e gestão de risco. Cada passo que tomamos será acompanhado por uma pesquisa rigorosa que busca identificar as formas específicas como as opiniões climáticas podem ajudar a impulsionar os retornos financeiros.

Integração de considerações climáticas às premissas de mercados de capitais da BlackRock
Hoje, poucos analistas financeiros incluem os efeitos da mudança climática em suas projeções econômicas e expectativas de retorno. Acreditamos que isto não capta uma imagem precisa do futuro. Este ano, a BlackRock está aprimorando as nossas premissas de mercados de capitais, estimativas de risco e retorno no longo prazo, para incorporar considerações climáticas. Sustentando as nossas novas premissas de mercados de capitais, que são a base dos portfólios que construímos e implementamos em nome dos nossos clientes, está a convicção de que evitar com sucesso os danos causados pelas mudanças climáticas ajudará a impulsionar o crescimento econômico e oferecer melhores retornos aos investidores. Ao examinar a intensidade das emissões de carbono e outras medidas nas novas premissas, acreditamos que a transição recompensará empresas, setores e regiões que se ajustam e penalizam outras, criando oportunidades para os investidores. Os temas de sustentabilidade já não são um assunto para ser tratado depois que as estratégias de investimento forem decididas; pelo contrário, acreditamos que eles são indispensáveis para a tomada de decisão sobre investimentos, e, por esse motivo, estamos incorporando-os no nosso processo de elaboração do portfólio.

Implementação de um “Modelo de alto grau de escrutínio” para gerenciar exposições nos portfólios ativos
Esperamos que os emissores nos quais investimos em nome dos nossos clientes estejam gerenciando adequadamente a transição global em direção à economia neutra em carbono. Embora muitas empresas estejam se preparando de maneira enfática para essa evolução, outras que não o fazem representam um risco para o portfólio dos nossos clientes. Como parte da estrutura de alto grau de escrutínio à integração dos riscos de sustentabilidade no nosso processo ativo de investimento e usando todas as ferramentas disponíveis de gestão de risco, definiremos um “foco universal” nas posições que representam um risco particular relacionado ao clima devido a:

  • Uso intensivo de carbono atual
  • Preparação insuficiente para a transição para a neutralidade em carbono
  • Pouca receptividade ao nosso engajamento na gestão de investimentos

Quando não vemos um progresso nessa área, especialmente nos casos em que percebemos a falta de alinhamento combinada com a falta de engajamento, não apenas usaremos o nosso voto contra a administração com base nas ações que integram os nossos portfólios de índices, como também sinalizaremos essas posições para uma possível saída dos nossos portfólios discricionários ativos, pois acreditamos que elas representam um risco para os retornos dos nossos clientes. Por outro lado, acreditamos que as empresas que se destacarem em sua trajetória de emissões, preparação para a transição e governança sempre representarão uma oportunidade para os nossos clientes.

Oferta de produtos alinhados à temperatura e com foco climático
Estamos comprometidos em oferecer aos clientes um conjunto completo de opções de investimento orientadas ao clima. Em 2021, lançaremos produtos de investimento com metas explícitas de alinhamento de temperatura, para permitir aos clientes alcançarem os seus objetivos de neutralidade nas emissões de carbono. Estamos entusiasmados em trabalhar com os provedores de índice, modeladores de cenário, e cientistas de clima para ajudar a avançar o panorama emergente de investimento neutro em carbono.

Além de produtos alinhados com a temperatura, vamos lançar estratégias de transição de baixo carbono no mercado que podem ser substitutos fáceis das exposições aos índices ponderados por capitalização de mercado. Também vamos introduzir objetivos climáticos explícitos para todos os novos fundos sustentáveis, como, por exemplo, metas de redução de carbono ou inclinação para emissores mais bem preparados para a transição energética.

Oportunidades de inovação climática
A economia de hoje permanece fortemente dependente de combustíveis fósseis; no entanto, a transição para um mundo neutro em carbono cria significativas oportunidades de investimento entre os diversos setores, incluindo energia, transporte, manufatura, construção e agricultura. Já somos um dos maiores investidores em energia renovável do mundo e continuamos em busca de novas oportunidades em inovações climáticas em ambos os mercados, público e privado. Além disso, temos planos para expandir as nossas capacidades de energia renovável a partir de 2021 para além da energia eólica e solar, em direção à infraestrutura climática, para acelerar, de forma mais abrangente, a transição energética nos mercados emergentes por meio da nossa iniciativa Climate Finance Partnership com os governos da França e da Alemanha, além de três grandes organizações filantrópicas dos EUA.

Viabilização da escolha para o cliente
Um princípio fundamental da nossa abordagem quanto à gestão de investimentos é oferecer aos nossos clientes a escolha. Conforme os investidores buscam cada vez mais alinhar seus investimentos à neutralidade em carbono, a capacidade de construir mais portfólios personalizados será uma ferramenta poderosa para ajudá-los a atingirem seus objetivos. Há muito, somo líderes em auxiliar os clientes institucionais a desenvolver portfólios personalizados e, em novembro de 2020, anunciamos a celebração de um acordo para a aquisição da Aperio, uma gestora de investimentos dos EUA. Essa aquisição nos permitirá auxiliar investidores no acesso à personalização, que, tradicionalmente, estava disponível apenas para os maiores clientes institucionais. Ao longo do tempo, tem sido nossa aspiração oferecer essa tecnologia de personalização para ainda mais investidores.

Além disso, a personalização permite aos investidores expressarem suas preferências, não apenas com relação à neutralidade em carbono, mas também integrar valores de modo mais profundo em seus portfólios: sociais, religiosos, entre outros. Essa capacidade se desenvolve a partir do nosso leque de produtos que permitem aos investidores manifestar suas preferências pessoais ou a busca de metas positivas de sustentabilidade, tais como os nossos ETFs selecionados ou a nossa plataforma de impacto, que investe em empresas que tratam de temas sociais ou ambientais, como, por exemplo, moradia popular ou empresas que estão promovendo mudanças nas comunidades carentes dos EUA.

Gerenciamento responsável de investimentos

Investment stewardship, ou seja, o gerenciamento responsável de investimentos, desempenha um papel fundamental na forma como honramos a nossa obrigação fiduciária com nossos clientes. Estabelecemos relações com as empresas quanto às práticas sustentáveis e de governança que acreditamos que promoverão uma rentabilidade duradoura no longo prazo. Tendo em vista que o ano passado intensificou as nossas convicções de que o risco de sustentabilidade, e, em particular, o risco climático, são riscos de investimento, nossa equipe de gestão continua ampliando o foco sobre como os fatores relacionados à sustentabilidade estão impactando a capacidade da empresa de gerar retornos aos acionistas.

Especificamente, solicitamos que todas as empresas divulguem um plano de negócios alinhado com a meta de limitar o aquecimento global bem abaixo dos 2 °C, consistente com a meta de atingir a neutralidade nas emissões de gases do efeito estufa globais até 2050. Essas divulgações são essenciais para ajudar os investidores a avaliarem a capacidade das empresas quanto à transição de seus negócios para um mundo de baixo carbono e às oportunidades de criação de valor que estão surgindo com a transição climática.

Reforço do nosso engajamento sobre o risco climático
No ano passado, a nossa equipe de gestão analisou um universo de 440 empresas com uso intensivo de carbono, representando aproximadamente 60% do escopo de emissões 1 e 2 globais das empresas em que nossos clientes investem. Dessas 440 empresas, votamos em nome dos nossos clientes contra 64 diretores e 69 empresas, além de deixarmos 191 empresas “em observação”. Essas empresas correm o risco de terem votos em contrário durante 2021, salvo se demonstrarem um progresso significativo na gestão e divulgação de riscos relacionados ao clima, incluindo os respectivos planos de transição para uma economia neutra em carbono. Agora, estamos expandindo o foco para mais de 1.000 empresas com uso intensivo de carbono, que representam mais de 90% do escopo de emissões 1 e 2 globais das empresas em que investimos em nome de nossos clientes.

Apoio às propostas dos acionistas
Percebemos que o voto nas propostas dos acionistas está assumindo um papel cada vez mais importante nos nossos esforços de gestão em torno da sustentabilidade. Nesse sentido, quando concordarmos com as intenções de uma proposta de acionistas abordando um risco relevante de negócios (como é o caso do risco climático), e se acreditarmos que a diretoria pode melhorar a gestão e divulgação desse risco, nós vamos apoiar a proposta. Também podemos apoiar uma proposta se a diretoria estiver no caminho certo, e acreditarmos que o voto poderia acelerar ainda mais esse processo. Na condição de investidores de longo prazo, historicamente a BlackRock tem se engajado em explicar as nossas perspectivas sobre as distintas questões e oferece aos gestores das empresas tempo suficiente para resolvê-las. No entanto, diante da urgência de muitas questões relevantes de sustentabilidade, é muito provável que venhamos a apoiar uma proposta de acionistas sem poder esperar em demasia.

Utilizando a nossa nova abordagem às propostas de acionistas, no segundo semestre de 2020, apoiamos 54% de todas as propostas de natureza ambiental e social, por estarem, na nossa opinião, alinhadas com a geração de valor no longo prazo.

Padrões claros e unificados

Acreditamos que a convergência dos padrões de divulgação é essencial para o investimento alinhado com a neutralidade em carbono, reduzindo o ônus sobre as empresas e promovendo decisões informadas e apoiadas em dados claros e consistentes. Para a divulgação sobre a sustentabilidade, apoiamos a convergência a um único padrão e endossamos a abordagem definida pela International Financial Reporting Standards Foundation. Conforme o mundo avança para um padrão único, a BlackRock continua apoiando relatórios em linha com a TCFD  e o SASB.

Carta do Larry Fink aos CEOs
Em 2020, o mundo não só enfrentou a pandemia, como também intensificou o seu foco sobre a ameaça existencial das alterações climáticas. À medida que mais e mais empresas, investidores e governos se concentram no objetivo global de neutralidade em carbono até 2050, uma transformação econômica está em aceleração.
Uma fotografia do Larry Fink, CEO da BlackRock, olhando diretamente para a câmera

Iniciativas corporativas da BlackRock

A BlackRock também está tomando uma série de medidas no nível corporativo para apoiar a transição para um mundo neutro em carbono.

  • Nosso compromisso com a transparência. Nós nos esforçamos para cumprir com os mesmos padrões de transparência que pedimos às empresas nas quais nossos clientes investem. Por essa razão, emitimos o nosso primeiro relatório alinhado com a TCFD em 2020 (bem como o nosso primeiro relatório alinhado com o SASB). Além de apresentar a nossa estratégia, os processos de governança e gestão de risco para administrar os riscos e oportunidade climáticas, nós relatamos as emissões de Escopo 1, Escopo 2 e Escopo 3 das nossas operações corporativas, incluindo os centros de dados e, até mesmo, as viagens de funcionários. Atualmente, as operações da BlackRock são neutras em carbono. Alcançamos e mantemos essa neutralidade por meio do emprego de estratégias eficientes em energia, atingindo 100% da meta de energia renovável e compensando as emissões que não pudermos eliminar de outra forma.

    Em 2021, nossa intenção é expandir o nosso relatório de Escopo 3 para incluir as emissões agregadas atribuídas aos portfólios de investimento que gerenciamos em nome dos nossos cientes, sujeito à disponibilidade de dados. Embora essas emissões continuem a refletir as decisões de investimento dos nossos clientes e o progresso da economia global em direção à neutralidade em carbono, acreditamos que, ao longo do tempo, as iniciativas incluídas nesta carta servirão para reduzir a intensidade de carbono dos nossos ativos sob gestão e aumentar o percentual de ativos alinhados com a neutralidade em carbono.

  • Políticas públicas: De acordo com os objetivos de investimento a longo prazo de nossos clientes, continuaremos a defender políticas públicas para ajudar a tornar o sistema financeiro mais resiliente, sustentável e equitativo, incluindo o progresso em direção à meta de neutralidade em carbono. Por exemplo, nós apoiamos uma linguagem consistente para produtos sustentáveis para dar aos investidores a clareza e a confiança em suas decisões de investimento. Também apoiamos o estabelecimento de um mercado global para as compensações de carbono que forneça aos participantes do mercado a confiança em suas transações, suportada por padrões e dados claros. Embora as compensações não possam substituir as reduções nas emissões, um mercado ativo de compensações será uma peça importante na engrenagem das empresas, conforme avançam em direção à neutralidade em carbono. Por fim, continuaremos a apoiar a implementação de regimes de precificação de carbono em todo o mundo, enquanto minimizamos os custos para as comunidades vulneráveis e apoiamos o crescimento econômico.

Conclusão

A BlackRock está comprometida com a meta global para uma transição justa e equitativa para a neutralidade em carbono. À medida que a transição para a neutralidade em carbono redefinir a economia global, oportunidades significativas serão criadas para os investidores. Estamos comprometidos em fornecer soluções, ferramentas e dados para navegar nessa transição e auxiliar os nossos clientes a alcançarem os resultados que almejam. Em caso de dúvidas sobre os passos que estamos tomando, ou se deseja agendar uma revisão do portfólio para entender melhor as implicações potenciais sobre os ativos que gerenciamos em seu nome, nossos gestores de relacionamento e estrategistas de produto estão à sua disposição. Somos muito gratos pela confiança que você deposita em nós.

Atenciosamente,
Global Executive Committee da BlackRock