Visão geral

  • Um dos objectivos da diversificação é construir uma carteira de investimentos que tenham baixa correlação entre si.
  • Nos últimos 15 anos, uma carteira que investiu 60% em acções e 40% em obrigações registou uma correlação quase perfeita face ao mercado accionista.
  • As alternativas podem ajudar a diminuir a correlação de uma carteira tradicional ao mercado accionista, potencialmente amortecendo os efeitos da volatilidade de mercado.

A correlação mede a força da relação entre os retornos de dois investimentos e pode variar em qualquer lado a partir de +1 (correlação perfeita) até -1 (correlação negativa perfeita). Se dois investimentos estão perfeitamente correlacionados, eles irão sempre aumentar ou diminuir em valor ao mesmo tempo. Por outro lado, se dois investimentos têm uma correlação negativa perfeita, eles irão sempre mover-se em direcções opostas.

Um dos objectivos da diversificação é construir uma carteira de investimentos que tenham baixa correlação entre si, de modo que nem todos os investimentos da carteira se movam na mesma direcção ao mesmo tempo, particularmente pela negativa. Embora as estratégias de diversificação não garantam lucros, estas podem resultar na carteira como um todo tendo uma baixa correlação aos mercados mais amplos, e o investidor fica menos à mercê da volatilidade extrema.

As estratégias tradicionais de diversificação poderão não funcionar mais

Costumava ser uma combinação de acções de pequena, media e grande capitalização que poderia ajudar a minimizar uma correlação da carteira face a qualquer referência de acções individual, por exemplo, o S&P 500 Index. Para diversificar mais e reduzir o risco, um investidor poderia incluir acções internacionais para também ampliar a exposição global. No entanto, ao longo das últimas décadas, esta opção tornou-se menos atractiva para os investidores, visto que a correlação entre as acções dos EUA e internacionais aumentou consistentemente.1

Acções dos EUA e internacionais, correlação por década

As obrigações podem ser uma resposta incompleta para a redução da correlação ao mercado accionista

Os investidores há muito que têm utilizado as obrigações como uma forma para diversificar uma carteira de acções —frequentemente padronizando para a habitual atribuição de 60% em acções e 40% em obrigações. No passado, esta estratégia foi geralmente bem sucedida, rendendo um retorno considerável com risco moderado. Durante a década dos anos de 1990, uma carteira de 60/40 obteve um retorno de quase 13% ao ano com a volatilidade pouco acima dos 8%. Mas, mais recentemente, esta estratégia perdeu grande parte da sua eficácia, com os retornos por volta dos 4% e a volatilidade a aumentar para mais de 10%. Durante o mesmo tempo, esta carteira de 60/40 tinha uma correlação de 0,99 face a uma carteira que estava inteiramente investida em acções.1

Mesmo as carteiras equilibradas correlacionam-se fortemente com as acções

As alternativas podem oferecer uma menor correlação e ajudar a reduzir a volatilidade

A finalidade de combinar investimentos com baixa correlação é proporcionar uma maior diversificação para que nem tudo na carteira se mova em conjunto. Visto que estas tendem a ter uma menor correlação com acções e uma correlação negativa com as obrigações, as alternativas podem ser um diversificador atractivo. Tal pode ajudar a reduzir o impacto da volatilidade do mercado, preservando o valor da sua carteira.

Correlação dos investimentos alternativos com acções e obrigações

Diversification and asset allocation may not protect against market risk or loss principal.

* Not FDIC Insured * No Bank Guarantee * May Lose Value

Acesso à página da Comissão de Valores Mobiliários na Internet: www.cvm.gov.br

CVM logo


AO APLICAR SEUS RECURSOS, É RECOMENDÁVEL AO INVESTIDOR A LEITURA CUIDADOSA DOS REGULAMENTOS DOS FUNDOS (DISPONÍVEIS NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES PELO ENDEREÇO: WWW.ISHARES.COM.BR - FONTE OFICIAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DOS FUNDOS), COM ESPECIAL ATENÇÃO PARA AS SEÇÕES RELATIVAS AO OBJETIVO E À POLÍTICA DE INVESTIMENTO DE CADA FUNDO, BEM COMO FATORES DE RISCO, TAXAS, DESPESAS E ENCARGOS DE CADA FUNDO E DEMAIS INFORMAÇÕES CONTIDAS NA PÁGINA DO RESPECTIVO FUNDO NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES. AS APLICAÇÕES REALIZADAS EM FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA (I) DA ADMINISTRADORA E DO GESTOR DO FUNDO OU DE SUAS RESPECTIVAS COLIGADAS, (II) DOS AGENTES AUTORIZADOS, (III) DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO; (IV) DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS – FGC, OU AINDA, (V) DE QUALQUER PESSOA OU ENTIDADE. A RENTABILIDADE OBTIDA NO PASSADO NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. AS APLICAÇÕES REALIZADAS EM FUNDOS APRESENTAM RISCOS PARA O INVESTIDOR. NÃO HÁ GARANTIA DE COMPLETA ELIMINAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE PERDAS PARA OS FUNDOS E, CONSEQUENTEMENTE, PARA O INVESTIDOR. A CVM E A ANBIMA NÃO GARANTEM A VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS, TAMPOUCO FAZEM JULGAMENTO SOBRE A QUALIDADE DOS FUNDOS, DE SUA ADMINISTRADORA, DO GESTOR, DOS AGENTES AUTORIZADOS E DOS DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇO OU DAS COTAS A SEREM DISTRIBUÍDAS.


As informações apresentadas não constituem oferta de compra ou venda de quaisquer produtos ou serviços, incluindo cotas de qualquer Fundo de Índice, e tais produtos e serviços não devem ser oferecidos ou vendidos a qualquer pessoa e/ou em qualquer jurisdição na qual tal oferta é ilegal. Investir envolve risco, incluindo a possível perda de capital.


Performance passada não garante resultados futuros. O retorno, bem como o principal de um investimento, vai flutuar de maneira que uma quota de propriedade do investidor, quando vendida ou resgatada, pode valer mais ou menos do que o custo original. O desempenho atual pode ser menor ou maior que o desempenho aqui citado. Você pode obter os dados sobre o desempenho atualizados até o último mês findo visitando www.iShares.com.br.


Este site possui somente informações gerais e não tem a intenção de realizar uma recomendação de investimento geral ou específica. Tais informações não levam em consideração as condições financeiras de cada um dos investidores. Desta forma, os investidores deverão realizar avaliação quanto à qualidade e adequação das informações apresentadas levando-se em consideração o seu perfil de risco, objetivos, situação financeira e necessidades específicas. A informação aqui disponibilizada não constitui assessoramento jurídico ou tributário. Investidores devem consultar seus próprios assessores jurídicos ou tributários sobre sua situação legal e/ou fiscal.


Além dos riscos normalmente relacionados a investimentos no mercado brasileiro, investimentos internacionais envolvem risco de perda do capital investido em decorrência da flutuação desfavorável de taxas de câmbio, das diferenças em princípios contábeis geralmente aceitos, e da instabilidade econômica ou política em outros países. Além do risco supracitado, investimentos em mercados emergentes também envolvem riscos elevados relacionados à maior volatilidade e ao menor volume de negociação. Títulos e valores mobiliários que geram exposição a um só país podem ser sujeitos a maior volatilidade.


As informações apresentadas neste site não devem ser consideradas como previsão, análise ou aconselhamento de investimento, recomendação ou oferta de compra ou venda de quaisquer títulos ou valores mobiliários, ou recomendação de estratégia de investimento. As opiniões aqui expressadas podem mudar de acordo com a variação das condições de mercado. As informações e opiniões ora apresentadas são derivadas de fontes proprietárias e não proprietárias consideradas pela BlackRock como confiáveis, podem não conter todos os dados necessários, e não são garantidas quanto à exatidão e/ou precisão. O uso das informações aqui contidas é de exclusivo critério do leitor.


© 2017 BlackRock Inc. Todos os direitos reservados. BlackRock® e iShares™ são marcas registradas da BlackRock Inc. ou de suas subsidiarias nos Estados Unidos da América e/ou em outros Países. Todas as outras marcas são de propriedade de seus respectivos titulares.

 

BR-0752-09/2015