Brasileiros apostam cada vez mais em ETFs para diversificar a carteira

BlackRock |08 out 2019

A indefinição sobre os rumos da economia mundial pode respingar no Brasil, especialmente em se tratando da taxa Selic. Ainda que os bancos centrais em todo o mundo mantenham a tendência de queda das taxas de juros - o que pode estimular a expansão econômica -, tensões geopolíticas e disputas comerciais contribuirão para um crescimento mais lento das economias.

A disputa comercial entre Estados Unidos e China, que ameaça impactar a economia global, está entre as principais preocupações dos investidores. Além disso, outros países também apresentaram sinais de fraqueza recentemente: houve queda na produção industrial alemã, o Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido recuou pela primeira desde 2012 e a Itália enfrenta uma crise política.

Enquanto predominam incertezas, até que se tenha uma melhor visibilidade sobre o que irá acontecer, o que já se sabe é que a volatilidade dos mercados vai aumentar. Nesse cenário, a alocação em ETFs pode melhorar a resiliência dos portfólios e oferece uma boa saída também quando se pensa em diversificação dos investimentos. A alocação de recursos é feita de modo transparente, com baixo custo e perspectivas de bons resultados.

Globalmente, os fundos de índice somavam US$ 5 trilhões ao final de 2018 e este valor deve mais do que dobrar em cinco anos, chegando a US$ 12 trilhões em 2023. No Brasil, os primeiros ETFs começaram a ser negociados em 2004, pouco mais de 10 anos depois do primeiro fundo de índice ser negociado nos Estados Unidos. E embora o mercado brasileiro ainda seja relativamente pequeno frente a outros produtos, o interesse dos investidores locais em ETFs é ascendente, colocando essa classe de ativos entre os investimentos mais buscados pelos brasileiros no primeiro semestre deste ano – pela primeira vez na história.

A expectativa de que a tendência mundial de crescimento consolidado se repita no Brasil vem se confirmando. Prova disso é que em menos de um ano, o número de investidores no mercado doméstico brasileiro mais do que dobrou, e chegou perto de 80 mil em julho de 2019. Cerca de 70% deste total são os investidores institucionais, representados pelos fundos de pensão e seguradoras. O segundo maior público (15%) são as instituições financeiras, seguido das pessoas físicas (12%).

O aumento dos ETFs como alicerce na alocação de ativos mostra que os investidores têm reconhecido cada vez mais os benefícios que o produto dispõe, em especial a diversificação instantânea e retornos persistentes. Um exemplo é o BOVA11, que tem o Ibovespa como referência e cujo patrimônio ultrapassa R$ 6 bilhões, segundo a B3. Somado a taxas normalmente mais baixas, no geral inferiores a 0,5% ao ano, a estratégia tem resultados potenciais no em horizontes de 10 anos. Apesar do recente impacto no Ibovespa relacionado às tensões entre os Estados Unidos e a China, o ETF, assim como o índice, acumula alta de cerca de 18% nos últimos 12 meses.

Mercado de ETFs no Brasil está crescendo e ainda há muito mais que se esperar ($ em reais)

Gráfico: Mercado dos ETFs no Brasil está crescendo de $6,8 bilhões no julho do 2018 até $19,4 bilhões no julho do 2019.

Fonte: Anbima, julho 2019

Incluir ETFs na carteira pode ser uma boa estratégia para clientes com os mais diferentes perfis, dos conservadores aos mais arrojados. Todos podem se beneficiar da diversificação e liquidez que a carteira oferece.

Os dados mais recentes sobre o volume de negócios também já apontam um crescimento exponencial no mercado doméstico. Entre 2017 e 2019, o volume de negócios cresceu de 200%, para R$ 660 milhões, com potencial de mais avanço. E, segundo a Anbima, em julho, o patrimônio líquido de ETFs negociados na Bolsa brasileira cresceu 184%, um pulo de quase três vezes em um ano e alcançou mais de R$ 19 bilhões.

Os potenciais benefícios de diversificação de portfólios divididos entre classes de ativos foram reconhecidos pelos ganhadores do prêmio Nobel, Harry Markowitz e William Sharpe junto com John Lintner e Jack Treynor, há quase sete décadas. Mais recentemente, o advento dos ETFs adicionou à diversificação transparência e custos competitivos para os portfólios, com adição em massa de investidores, especialmente no exterior, e que deve se repetir no Brasil. Há muito o que se ganhar - e o movimento está apenas começando.

Inscreva-se para receber as
Perspectivas da BlackRock


Investidor profissional
Faço a gestão de portfólios profissionalmente em nome de investidores individuais e presto serviços de consultoria financeira. Exemplos de investidores profissionais são consultores financeiros, private bankers e outros.

Investidor institucional
Faço a gestão de portfólios profissionalmente em nome de instituições como fundos de pensão, fundos soberanos, seguradoras e outras.

Investidor individual
Compro e vendo investimentos para minha carteira pessoal e não para outra empresa ou organização. Não sou investidor profissional nem investidor institucional.

Obrigado por inscrever-se!

Por favor, espere um e-mail dentro de 24 horas confirmando o status da sua assinatura.

Se você não recebeu um email, por favor entrar em contato conozco no latam@blackrock.com.